quinta-feira, 14 de julho de 2011

A vida de um génio renascentista



Durante o século XV a Itália iniciou um período de transformação social, cultural e económica, ficando conhecido pelo quattrocento. É neste período que se começa a notar o contraste entre a idade média e o renascimento principalmente em cidades como Florença, Milão, Veneza, Roma e Nápoles que passam a desempenhar um papel de grande importância cultural. No estilo renascentista recém formado começa-se a notar uma forte influencia de padrões clássicos há muito utilizados na antiga Grécia e Roma, é neste ambiente que surgem grandes Humanistas que irão dar voz ao renascimento e propagar a sua influencia a toda Europa, entre eles o famoso Leonardo Da Vinci (auto-retrato de 1512 em cima).

Leonardo nasceu num sábado às três da manhã do dia 15 de Abril de 1452 numa família de notários pertencente à média burguesia na comuna de Vinci próxima de Florença. O seu nome de baptismo é Leonardo di ser Piero da Vinci (Leonardo filho de Piero de Vinci), não tendo sobrenome assinava os seus trabalhos com "Leonardo" ou "Eu Leonardo". Viveu a sua infância na casa do seu pai em Vinci, que ainda hoje pode ser visitada.

No ano de 1468 muda-se para Florença com o pai e começa a pintar sendo que em 1469 entra para a oficina de Andrea verrocchio onde expande os seus conhecimentos para os ramos da pintura, escultura, arquitectura, geometria e perspectiva. Através desta oficina Leonardo acede às encomendas mais importantes da cidade nomeadamente aquelas vindas dos Médicis.

Em 1478 ainda na oficina de Verrocchio, Leonardo fica encarregue com Lorenzo Di Credi de terminar um retábulo para a catedral de Pistóia, é aqui que numa parte do retábulo pinta a anunciação, esta é a segunda versão da anunciação (hoje exposta no Louvre) pois já entre 1472 e 1475 tinha pintado uma anunciação exposta na galeria dos Uffizi (em baixo na primeira a versão de 1472-1475 e na segunda a versão de 1478).

Em 1481 realiza a primeira pintura à larga escala intitulada a adoração dos magos, foi uma obra encomendada pelos frades do Mosteiro de São Donato executada em óleo sobre madeira encontrando-se exposta em Florença nos Uffizi. A adoração dos magos ficou inacabada com a partida de Leonardo para Milão em 1482 enviado por Lourenço de Medici para Ludovico Sforza chamado de o Mouro.

Em Milão, Leonardo pinta a Virgem dos rochedos e a Dama do Arminho, mais tarde na década de 90 do século XV pinta a ultima ceia no convento de Santa Maria delle Grazie em Milão (na imagem em baixo).

Em 1500 após a conquista de Milão pela França Leonardo volta a Florença e durante um curto período trabalha como engenheiro militar sendo depois convidado a pintar a batalha de Anghiari no hoje denominado salão dos quinhentos no palazzo Vecchio.

Em 1506 partiu novamente para Milão requisitado pelo governador Charles d'Amboise, nesta temporada executa projectos de arquitectura e canalizações fez também a segunda versão da Virgem dos rochedos.

Em 1513 muda-se para Roma perspectivando encomendas do seu protector Giuliano de Médici porém não tendo sucesso aceita em 1517 o convite do rei de França Francisco I para se tornar o seu pintor, mecânico e arquitecto pessoal. É lhe concedido pelo rei Francisco I o solar de Clos Luçé (em baixo à esquerda) próximo da sua residência em Amboise, onde se fixa e vive os últimos anos da sua vida, tornando-se amigo intimo de Francisco I. Nesta altura faz investigações nas mais diversas áreas e pinta o seu quadro mais famoso a Mona Lisa (em baixo à direita).













Em 2 de Maio de 1519 com o seu amigo Francisco I a segurar a sua cabeça Leonardo morre no solar de Clos Luçé.

Tendo em conta a sua vida podemos dizer que Leonardo Da Vinci foi um verdadeiro Humanista dedicando-se à ciência, à matemática, à engenharia, à anatomia, à pintura, à escultura, à aviação, à balística, à botânica, à geologia, à cartografia e até à poesia e à musica. Bom se um Homem que faz tudo isto em 67 anos não é um génio bem poderemos estar á espera que uma lâmpada mágica nos caia do céu.

Acabo com uma citação de Giorgio Vasari, conhecido pelas suas biografias de artistas italianos que também escreveu sobre Leonardo:

"De tempos em tempos, o Céu envia-nos alguém que não é apenas humano, mas também o é divino, de modo que através do seu espírito e da superioridade da sua inteligência, possamos atingir o Céu."

Giorgio Vasari

Sem comentários:

Enviar um comentário